22 de mar de 2012

Mensagens de Armando ( por sinal, uma gostosa mensagem , assino embaixo/em cima também)

SUTILEZAS DO AMOR





Os olhares se cruzaram, as batidas do coração atropelaram o compasso, os hormônios aqueceram os corpos e o ritual de conquista terminou com o início do namoro que é um período para os dois se conhecerem: hábitos, defeitos, qualidades, preferências, temperamento, personalidade, compatibilidade sexual.  Entre beijos e amassos o casal vai se enamorando ou, às vezes, não dá certo.  É importante fazer uma distinção entre gostar e amar. Eu gosto da laranja porque ela me satisfaz. Quando vira bagaço jogo-a no lixo. Amar já é um sentimento onde a minha felicidade é a felicidade do meu parceiro. No gostar penso na minha satisfação, enquanto que no amar o que importa é fazer o outro feliz. Só quem ama é capaz de sacrificar-se pelo outro. E o amor exige sacrifícios. Compreender o outro, abrir mão de princípios, mudança de comportamentos. Quando o namoro fica só no gostar o tempo se encarrega de desfazer o encantamento do primeiro encontro e não dá para encarar um casamento. Durante o namoro ou noivado quando os dois brigam, vai cada um para sua casa e o Dr. Travesseiro se encarrega de esfriar os ânimos. Ao acordarem bate um mistura de saudade e medo de que tudo tenha terminado. Ao fazer as pazes parece que o amor fica mais gostoso. Enquanto que no casamento é sofá nele e não tem Dr. Travesseiro porque acabam se esbarrando no corredor ainda com os nervos à flor da pele. Quando se amam os desentendimentos funcionam como o tempero do amor. É o confronto das diferenças. E se o amor é maduro são momentos para os dois avaliarem o relacionamento. O importante é o respeito mútuo e a atitude de compreensão e perdão diante do erro do outro. Casamento supõe renúncias, saber ceder, caminharem juntos enfrentando as tormentas e curtindo os momentos felizes. Se um apenas cede para manter a paz vira exploração e o amor acaba. Daí o amor neurótico onde o outro é apenas um objeto para minha satisfação pessoal. É sempre importante frisar que namoro e noivado são períodos importantes para o casal se conhecer e tomar a decisão de viverem juntos e construírem uma família.

Tive um amigo que dizia que o amor é como uma bicicleta. Se você parar de pedalar ela cai. Da mesma forma o casal não deve permitir que a rotina tome conta da vida a dois. Com o passar dos anos os dois tornam-se “cúmplices”: um advinha os pensamentos e os desejos do outro.

Jacques Maritain, filósofo francês, e sua esposa Raissa resolveram testar a importância da vida sexual no casamento. Decidiram ficar um ano sem fazer sexo. Com cinco meses estavam tensos e os desentendimentos eram constantes. Ao voltarem atrás a harmonia tomou conta da vida do casal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário